drarosyane.clinicaoncologica@gmail.com    |   

MasSpec Pen, a caneta capaz de diagnosticar um câncer

MasSpec Pen, a caneta capaz de diagnosticar um câncer

Imagine uma simples caneta capaz de detectar células tumorais em poucos segundos. Funciona assim: o dispositivo extrai moléculas de tecido humano e aponta, nessa amostra, a presença de células cancerosas. Criada por uma cientista brasileira residente em Austin, nos Estados Unidos, a tecnologia ainda está em estudos, mas já mostrou resultados promissores. 

A caneta, batizada de MasSpec Pen, tem como principal objetivo certificar, durante uma cirurgia oncológica, que todo o tecido tumoral foi removido do corpo do paciente - o que reduziria as possibilidades de uma futura recidiva. Além disso, em uma cirurgia tradicional, o patologista levaria, em média, até 40 minutos para confirmar se todo o tecido tumoral foi retirado, expondo o paciente a riscos cirúrgicos desnecessários, especialmente idosos. Já a MasSpec Pen faz este mesmo trabalho em segundos.

Como funciona a MasSpec Pen?

O cirurgião repousa a ponta da caneta no tecido e, em seguida, uma gota de água desce para a ponta e capta as moléculas do tecido, transportando-as para análise de possível malignidade. Essa leitura da análise só é feita com sucesso porque centenas de amostras de tecidos cancerosos “ensinaram” a máquina a identificar tecido tumoral, ou seja, além de ser uma tecnologia que engloba equipamentos de análise química, também utiliza técnicas de inteligência artificial.

E o futuro da MasSpec Pen?

O próximo passo é testar o dispositivo em seres humanos, durante cirurgias reais. Como ainda precisa ser avaliado em testes clínicos, vai levar ainda dois a três anos para que seja lançado como produto no mercado da medicina. A caneta já foi testada com sucesso para câncer de cérebro, ovário, tireoide, mama e pulmão. Posteriormente, será usada também em pesquisas de tumor de pele. E, caso dê certo, pode promover um ganho estético ao paciente, já que é capaz de avaliar sinais e pintas sem a necessidade de remover o tecido.

No futuro, as taxas de cura estarão relacionadas ao uso dessa tecnologia. Além de garantir economia de tempo, pode diminuir os casos de recidiva e aumentar a precisão na retirada dos tumores. 

Fonte:Medical Site

23 de Maio de 2019