drarosyane.clinicaoncologica@gmail.com    |   

O que o diabetes tem a ver com o câncer?

O que o diabetes tem a ver com o câncer?

Antes de mais nada, é preciso entender que o diabetes não é uma doença que se encerra em si mesma, pelo contrário: é capaz de desencadear outras complicações no organismo. Problemas de visão e obesidade são algumas delas, mas os últimos estudos indicam que portadores da doença também carregam uma predisposição a alguns tipos de câncer, como o de fígado, de pâncreas, útero, cólon e reto, mama e bexiga.

Claro que, além da obesidade, o diabetes compartilha o risco de adquirir câncer com outros fatores como sedentarismo e má alimentação (pobre em fibra e rica em gorduras). As razões ainda não estão claras, inclusive há dúvidas sobre se as neoplasias são uma consequência direta da hiperglicemia (altas taxas de açúcar/glicose no sangue) ou da resistência à insulina (hormônio produzido pelo pâncreas cuja função é metabolizar a glicose para produzir energia). 

Os diagnósticos de diabetes e câncer

O tratamento para quem tem ambos os diagnósticos é mais delicado e cheio de peculiaridades. O nutricionista deve orientar a alimentação e o endocrinologista a medicação - tudo de acordo com as necessidades do paciente, por isso é fundamental o entrosamento entre as equipes médicas. Como complemento da terapia, a prática de atividades físicas, que é recomendada para o bom funcionamento do organismo em qualquer circunstância.

Os problemas surgem quando é preciso ajustar o controle glicêmico, que fica comprometido no tratamento oncológico - tanto pela administração do peso ao longo do tratamento quanto pelas medicações que costumam elevar os níveis de glicose. Quadros de stress, infecções e cirurgias também podem descompensar o controle glicêmico.

A boa notícia é que, pela diversidade nas reações aos tratamentos, já que cada caso é um caso, muito se avançou nessa área. O recurso de drogas-alvo via oral melhorou resultados e aumentou os índices de sobrevivência com qualidade de vida. O futuro ainda é bastante promissor. 

Fonte: Medical Site

27 de Junho de 2019